Coletor de dados: o coringa de shows e eventos

O coletor de dados pode identificar de forma ágil a autenticidade dos ingressos ou anotar os pedidos do garçom

O coletor de dados pode ser seu salva-vidas. O tempo vale ouro, ainda mais com seu ídolo no palco, e você na fila de entrada, mas o computador de mão, equipado com leitor de código de barras, é a forma mais rápida de atender os fãs neste tipo de evento.

“O Brasil, infelizmente, é um país complicado. Em outros locais do mundo não há tanta falsificação de ingressos como temos aqui. Mas de qualquer forma, sempre que organizamos uma festa ou show, usando um convite ou ingresso, a melhor forma de garantir sua validade é com um coletor de dados. Por ser uma espécie de mini computador, ele pode passar uma série de informações na tela, que melhoram o atendimento e evitam filas”, diz o produtor de eventos Pedro Henrique Bueno.

motorola coletor de dados

motorola coletor de dados

O coletor de dados pode ser empregado em várias áreas, não só no controle de acesso, por ser um equipamento leve, fácil de usar e versátil. “Nós usamos este aparelho desde a organização da logística de todo o evento até os pedido da área vip. É o tipo de investimento que eleva a qualidade do serviço que oferecemos, ele te poupa problemas e devolve em tempo e dinheiro”, afirma o empresário Leonardo Fuentes, dono de uma produtora especializada em festivais de sertanejo universitário.

O coletor de dados entra em cena muito antes dos artistas tocarem os primeiros acordes. “Trabalhamos com uma quantidade imensa de equipamentos para a montagem do palco, telão, sistema de som, além daquilo que vai para a cozinha ou o camarote. Em um primeiro momento tudo isso são apenas caixas. Como organizar de forma prática e rápida? Seria impossível, se cada uma delas não estivesse marcada com um código de barras. Logo ao chegar ao local, o funcionário que recebe a carga, usa o coletor de dados para registrar o recebimento em sistema e encaminhá-la ao setor responsável”, conta o produtor Pedro Henrique.

Ainda segundo Pedro, “a nossa maior ferramenta de controle é o sistema, ele garante a segurança e organização de tudo. Temos como saber o paradeiro, a quantidade e a hora que cada carregamento chegou, e ele só funciona se for bem alimentado de informações pelo coletor de dados”.

O coletor de dados também é importante, como vimos no começo da reportagem, para administrar a entrada no evento. “Em um show, é mais tranquilo, o leitor apenas analisa se aquele ingresso é válido e bloqueia aquele código de barras que o identifica, se alguém tentar usá-lo novamente, ou apresentar uma cópia ou um código fora dos nossos padrões, a entrada é bloqueada”, comenta Leonardo. “É um processo simples, rápido e mantém o ingresso em si intacto, pois muitos fãs, gostam de guardar o ticket como um souvenir, uma recordação de um dia especial”, ele acrescenta.

Durante o show, o coletor de dados ganha as mãos dos garçons que anotam os pedidos dos clientes no camarote. “Muitas vezes, a área vip funciona no esquema de open bar, mas mesmo assim, há mesas numeradas e se alguém pedir um sanduiche ou porção, será bem atendido. E caso haja uma comanda individual, o processo de cobrança é mais seguro”, conta Pedro.

Seja na entrada ou na hora de pagar a conta, um coletor de dados estará lá, te lembrando da sua presença em um mundo moderno e 100% conectado.